size_590_Aspartame

São tantas opções para substituir o açúcar que dá para ficar confusa. Detalhe: alguns deles chegam a oferecer riscos à saúde. Entenda direitinho como é isso, compare os principais tipos e escolha o seu.

Conheça agora todos os adoçantes, veja qual é melhor para você

Adoçantes naturais

Frutose – Extraído de frutas e do mel, é mais doce que o açúcar, contém grande quantidade de calorias e eleva os níveis de açúcar no sangue, não sendo indicado para diabéticos e para dietas;

Esteviosídeo – Extraído de uma planta nativa da América do Sul (stevia rebaudiana) tem um sabor próximo ao açúcar, não possui calorias e não altera os níveis de açúcar no sangue;

Sorbitol – É encontrado em algumas frutas, como a maçã e a ameixa, e em algas marinhas. Possui valor calórico e não é recomendado para diabéticos. É mais utilizado em chicletes, balas e biscoitos. Tem ação laxativa;

enquete_adocante

Adoçantes artificiais

Aspartame – Tem grande poder adoçante (200 vezes superior ao açúcar). Não contém calorias e seu uso é permitido para diabéticos. Embora algumas pesquisas associem seu uso à ocorrência de câncer e Mal de Alzheimer, não há comprovação científica;

Sacarina – Criada em 1879, ela é sintetizada a partir do ácido toluenossulfônico, derivado do petróleo. Deixa um sabor residual amargoso e metálico, mas não contém calorias e pode ser usado por diabéticos. Por conter sódio, é contraindicado para hipertensos. Pesquisas associavam o uso da sacarina ao surgimento de câncer, mas sem evidências conclusivas;

Ciclamato de sódio – Provém do ácido ciclo hexano sulfâmico, derivado do petróleo. Assim como a sacarina, não possui calorias e pode ser usado por diabéticos, mas também é contraindicado para hipertensos. É encontrado em refrigerantes zero e adoçantes. Pesquisas científicas apontam que o consumo de ciclamato pode causar câncer e tumores, e por conta disso, foi proibido em países como EUA, Japão e França;

Sucralose – É extraído da cana de açúcar e modificado para não ser absorvido pelo organismo humano. Tem um sabor similar ao do açúcar, não contém calorias, não causa cáries, não eleva a glicemia, podendo ser consumido por diabéticos, gestantes e hipertensos. É vendido como produto adoçante e está presente em alimentos de baixa caloria.

Qual deve ser usado para cozinhar?
O adoçante de uso culinário é, normalmente, comercializado em pó. A principal diferença para o de mesa é que ele pode ser aquecido. Ele não contém aspartame em sua composição e assim mantém o sabor doce mesmo em altas temperaturas.

Qual é o limite de consumo diário?
Depende do peso da pessoa: aspartame, 40 mg/kg; acesulfame K, 15 mg/kg; ciclamato, 11 mg/kg; estévia, 5,5 mg/kg; sacarina, 5 mg/kg; e sucralose, 15 mg/kg. Assim, quem pesa 65 quilos pode ingerir por dia, no máximo, 975 mg de acesulfame K; 2600 mg de aspartame; 715 mg de ciclamato; 357,5 mg de estévia; 325 mg de sacarina; e 715 mg de sucralose.

Agora ficou mais fácil escolher! Gostou das dicas? é só me seguir e receba diariamente informações importantíssimas para sua saúde.

Anúncios