sozinha

Ninguém aprende a morar sozinho. De repente, chega o dia no qual você não tem mais a sua mãe para fazer o chocolate quente de manhã, passar as suas roupas e nem lavar o banheiro. Conheça agora algumas dicas de se alimentar bem morando sozinho.

Não podemos negar que a alimentação fica prejudicada na maioria das vezes, porque não tem ninguém que faça a comida ou porque o consumo não é tão grande e tudo acaba estragando mais fácil. Tudo isso desanima na hora de ir às compras. Com isso, as opções se restringem a congelados, enlatados, macarrão e sopas instantâneos e tudo que for mais fácil de fazer. Mas aí moram perigos que podem prejudicar bastante a saúde.

Os enlatados não devem ser consumidos livremente, porque imagina a quantidade de aditivos que a indústria tem que colocar para que um feijão em lata tenha validade de 6 meses, por exemplo. Além disso, o verniz interno libera substâncias tóxicas e quando é rompido o alumínio da lata contamina também, por isso sempre vale a dica de não guardar nenhum enlatado na própria lata depois de aberto.

Já existem opções mais saudáveis com embalagens a vácuo de feijões, grãos de bico, etc… onde só é necessário dar uma temperadinha rápida e esquentar.

Opte pelo fogão

E falando em esquentar, dê preferência ao bom e velho fogão. Deixe o micro-ondas para situações mais esporádicas, porque esquentar a comida nesse forno aumenta a produção de radicais livres no alimento; e nunca esquente sua comida em recipiente plástico, isso aumenta e muito a liberação de toxinas do plástico para o alimento. Essas toxinas podem interferir com a parte hormonal, principalmente na fertilidade masculina.

1. Monte um plano. Elabore um cardápio semanal programando o que irá comer nas refeições. Veja o que já tem na despensa, e faça uma lista do que falta comprar. Assim você aproveita os alimentos que já tem e compra apenas o que for realmente necessário.

2. Fibras no prato. Ao elaborar seu cardápio, pense em opções práticas e leves como saladas, polpas de frutas e produtos integrais, que são ricas em fibras, nutrientes aliados da saciedade. “Uma boa pedida são as saladas prontas vendidas em saquinhos que, além de saudáveis, são acessíveis e garantem a presença das verduras no seu prato”, sugere a endocrinologista.

3. Congelados do bem. Quando tiver um tempinho no fim de semana, prepare os alimentos do almoço (feijão, sopas, carnes, legumes cozidos) e congele em porções pequenas. Caso não seja possível, peça ajuda a alguém próximo ou encomende os pratos com cozinheiras que vendem refeições para fora ou em um restaurante.

4. Foco no cardápio. Limite-se a comprar o que é necessário, evite aquelas guloseimas, como salgadinhos de pacote, bolachas recheadas, chocolates, petiscos, pois na hora da fome, você não pensará duas vezes em optar por estes alimentos em vez de preparar uma refeição saudável. Se você não os tiver em sua despensa, será mais fácil evitá-los, não é verdade?

5. De olho na validade. Compre pequenas quantidades de embutidos e frios (mussarela, presunto, peito de peru e outros), pois estragam facilmente, já que o prazo de validade é bem curto.

Dieta-para-cada-idade-emagrecer-aos-20-anos

6. Sucos no copo. Se não tem a versão in natura das frutas, as polpas congeladas são excelentes opções para ter em seu congelador. Use elas em vez de sucos em pó, que são ricos em sódio e corantes artificiais.

7. Hora do lanche. Iogurtes e barras de cereais podem ser boas pedidas para se ter em casa, principalmente para quando surgir aquela vontade de comer um docinho, ou mesmo para os lanches intermediários.

8. Massa turbinada. Troque o miojo por massas instantâneas que bastam ir ao forno, com água ou leite, por alguns minutinhos e estão prontas. Elas são mais nutritivas e menos calóricas. A sugestão da nutri é incrementar o prato com legumes e vegetais picados que podem ser comprados já em pedaços e lavados nos sacolões e supermercados. Ficou fácil, não?

9. Prefira o sacolão à feira. Pois, nele você pode escolher os produtos que quer levar sem ter que comprar por bacia. Vá uma vez por semana, compre pequenas quantidades de verduras, legumes e frutas e dê preferência por aqueles tipos que não se estragam facilmente, como maçã, banana, uvas, laranja e no caso das folhas, opte por aquelas que não murcham com facilidade e que são da época. Assim, além diminuir a quantidade comprada, você economiza.

10. Lanche natural liberado. Os sanduíches podem ser consumidos no jantar, desde que você saiba escolher os ingredientes. “Acrescente sempre verduras e legumes, escolha uma fonte de proteína (frango desfiado, carne fatiada, atum, peito e blanquet de peru, ricota e queijos brancos) e varie no tipo de pão (integral, sírio, francês, ciabata)”, explica a nutri. “Compre um tipo e quando acabar, experimente outro. Prefira requeijão, cream cheese, geleia. Substitua a maionese e a manteiga pelo azeite”, sugere Ellen Paiva.

11.Refeição leve no jantar. Uma boa opção é trocar a lasanha congelada de sua marca preferida ou o sanduíche do fast food por pratos prontos vendidos em restaurantes ou por cremes de legumes com carne, que podem ser batidos no liquidificador e depois congelados.

Gostou? É só me seguir para receber dicas de nutrição e saúde.

Fonte: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/comer_bem_morando_so.htm

http://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/11601-11-solucoes-para-quem-mora-sozinho-manter-uma-alimentacao-saudavel

Anúncios